What's that?  

Albert I do Mónaco, Afonso Chaves e a Meteorologia nos Açores

 
Apresentação
Investigação
Pós-graduação
Divulgação
Publicações
Textos disponíveis
Links
Contacto
 
   
   

Conceição Tavares,
Albert I do Mónaco, Afonso Chaves e a Meteorologia nos Açores,
(Lisboa: Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, 2009)
433p., 21 fig.,
ISBN 978-972-97774-5-5

Índice

  • I. Meteorologia - a emergência de uma ciência global
    • 1.1. Das crónicas do tempo à identidade científica da meteorologia
      Da ciência dos antigos à meteorologia naturalista
      Experiências pioneiras de estudos coordenados do tempo
      Controvérsia e construção científica do mundo atlântico
      O longo nascimento da meteorologia científica
    • 1.2. Instituições pioneiras - redes. mapas. avisos e previsões
      Ciência em Portugal - a importância do factor geográfico
      Mapas e Telégrafo - as novas tecnologias da meteorologia
      Dos alertas de tempestades à previsão do tempo
    • 1.3. Uma sentinela no Atlântico O primeiro projecto internacional para os Açores
  • 2. Os Açores e a Ciência no século XIX
    • 2.1. S. Miguel - da tradição agrarista às práticas científicas
      O pioneirismo da Sociedade Promotora da Agricultura Micaelense
      Diálogos botânicos em Coimbra
      Liceu - o fórum local das ciências
    • 2.2. Oceanografia e Meteorologia
      A emergência da oceanografia
      O nascimento marítimo de um projecto meteorológico
  • 3. Indivíduos. relações pessoais e diálogos experimentais
    • 3.1. Albert I e Afonso Chaves - uma sólida parceria
      Diferentes olhares sobre um museu periférico
      Primeiros passos de um novo projecto já antigo
      Reencontros reais - o mar com a meteorologia em fundo
      Uma ponte entre as margens do Atlântico
    • 3.2. Os tempos e os espaços de Afonso Chaves
      Retrato possível de Afonso Chaves quando jovem
      Caminhos exploratórios de uma vocação científica
      Militar, Professor, Naturalista e Cidadão
      A viagem como espaço formativo e integrador
  • 4. A Meteorologia nos Açores
    • 4.1. Centralidade e autonomia
      Reconstruir o Posto para construir o centro do futuro
      Cumplicidades externas em busca de soluções internas
    • 4.2. O Serviço Meteorológico Internacional dos Açores
      Finalmente, uma sentinela (fraca) no Atlântico!
      Uma velha aliada contra o "affaire Monaco"
      Duas vias divergentes - política e operacional
      Meteorologia e telégrafo - duas armas estratégicas
      Apesar de tudo, um projecto internacional...
    • 4.3. O Serviço Meteorológico dos Açores
      EUA - o primeiro acordo bilateral da Meteorologia dos Açores
      Paris. 1900 - uma viragem dramática
  • Conclusões
  • Bibliografia
  • Biografias
 

> Encomendar o livro

     
       
       
       
       
           
  Última actualização 21-01-10